Redação para o ENEM 2010

Olá novamente pessoal!

Hoje eu decidi compartilhar o texto que fiz para o ENEM 2010. E também estendo o convite a você, leitor, a compartilhar seu texto, caso tenha participado dessa versão do ENEM, principalmente se você é um dos ingressantes na UFABC.

A prova do ENEM apresentou grandes desafios nesse ano que passou. O primeiro foi a falta de relógio. A administração do tempo ficou muito prejudicada com isso, e infelizmente não deu tempo de escrever a última sentença na folha de rascunho, então o final do texto daqui não é exatamente como o que eu submeti para avaliação. E o título eu também não lembro(espero que eu tenha colocado na minha redação final o.O).

O segundo foi o bloqueio de uso de lápis: com uma folha de rascunho com 3o linhas, tive que reduzir a minha letra para escrever todo o protótipo em 15 linhas à tinta, em letras minúsculas (bem pequenas) para que, se caso a minha redação ficasse muito ruim, eu a reescrevesse completamente nas 15 linhas restantes.

Ridículo isso de não poder usar lápis.

Um outro problema, e esse já mais pessoal, é minha dificuldade em fazer conclusões, como eu já disse anteriormente aqui. E percebi que para resolver esse problema tenho que refutar veementemente as conclusões de outros para formar as minhas. Eu particularmente me baseei bastante em conversas que tive sobre o tema proposto com pessoas com as quais trabalho para fazer o texto, e me surpreendeu a nota de quase 9 pontos, porque não foi uma abordagem (imagino) comum. Por isso eu achei que é uma boa ideia mostrar o texto, que pode ser de ajuda para alguém a procura de um modelo de redação dissertativa, ou para alguém a procura de uma redação para criticar.

A proposta era a seguinte:

“Com base nos textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação , … , redija um texto sobre o tema O Trabalho na Construção da Dignidade Humana.”

Segue o texto:

Trabalho e Dignidade ( não me lembro do título original)

Atualmente é evidente que o mercado de trabalho é diferente do existente há alguns anos. Muitas empresas, sobretudo as menores, desejam ver-se livres de vínculos empregatícios formais, contratando serviços de pessoas físicas como se fossem jurídicas, mas ainda tratando-as como suas empregadas. Dessa forma fica muito mais fácil livrar-se das pessoas sem pagar multas e outros encargos, quando não houver mais interesse nelas; trabalhando sob tais condições, o homem vive com medo do futuro, pois este lhe é incerto. E muitas vezes ele simplesmente não pode optar por trabalhar de outra forma.

Tais empresas prestam serviço a empresas maiores, que geralmente contratam seus funcionários da forma estabelecida pelas leis trabalhistas, mas procuram terceirizar seus serviços, porque lidar com as leis é algo incômodo. E com isso crescem, nos bastidores da economia, empresas de uma única pessoa, administradas por indivíduos que nem sempre tem a capacidade para tal e que, muitas vezes, não usufruem de férias, convênio médico, aposentadoria, e outros benefícios, e acabam notando que o dinheiro que recebem, aparentemente alto, vira refugo com os gastos que trabalhar assim implica.

Isso significa que, quando essas condições de trabalho lhe são impostas, geralmente trabalhar no período de descanso será necessário. Os dias passarão e o que se percebe quando é feita uma retrospectiva são fins de semanas de empenho gastos com o trabalho e a conta bancária e o Fundo de Garantia iguais.

O trabalho dignifica o homem. Mas como pode o homem ser dignificado se a ele muitas vezes não são apresentadas condições propícias de trabalho, de tal forma que ele possa experimentar na totalidade a dignidade que o trabalho sob as condições ideais pode oferecer? Muitas vezes fala-se de trabalhos que são feitos ilegalmente para que uma pessoa possa sustentar sua família, e que são realizados por pessoas que não tiveram oportunidades de se formar apropriadamente para conseguir um bom emprego. Mas que dizer das pessoas que já são formadas, será que elas performizam trabalhos dignificantes?

Nota-se, então, que hoje há um crescente número de pessoas viciadas em trabalho, não por opção, e que acabam por experimentar doenças como o estresse e às vezes até depressão pela falta de convívio social. Espera-se, portanto, que exista uma aplicação mais séria das leis a fim de prevenir que formas de contratação como essa continuem a crescer. Uma das formas de alcançar essa meta é através de uma redução dos altos encargos pagos pelas empresas a cada funcionário que contratam, o que faz com que brechas na legislação sejam avidamente procuradas pelas corporações.

Até a próxima!

4 thoughts on “Redação para o ENEM 2010

  1. E eu ainda usei uma palavra que nem existe! Alguém consegue encontrar qual?

  2. Quase que perfeita, porém você escreveu trechos, que , para os padrões pode ser considerada antiquada e até certo ponto, se me descupe, sem criatividade.
    Ex:. Iniciar com palavras já “batidas” ( atualmente l.1)
    frases feitas como no início do segundo parágrafo “O trabalho dignifica o homem”

    Descupe-me

    • Obrigado, Fabio, não há nada a se desculpar!

      É bom saber que leu o texto e que teve uma visão crítica, porque ela permite que tanto o crítico quanto o criticado não cometam as mesmas falhas no futuro.

      Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*
*
Website

Solve : *
24 + 26 =